EMPRESAS INVESTEM MAIS EM AUTOCONHECIMENTO EM 2021

Empresas investem mais em autoconhecimento em 2021

Empresas investem mais em autoconhecimento em 2021

Autoconhecimento é o caminho do equilíbrio e harmonia de todas as áreas da vida. É o tornar possível a mudança necessária para vencer as barreiras limitantes em busca da realização de qualquer objetivo. Há pessoas que tem dificuldades em prosperar, ou em todas as áreas ou em alguma específica, isso pode ser justamente porque ela não tem o conhecimento da origem dessa ‘incapacidade’. Existem conflitos inconscientes instalados que geram impedimentos.

Autoconhecimento é fundamental. É uma das habilidades mais valorizadas deste século. É exercido em toda nossa vida, estamos sempre em constantes mudanças de comportamento, uns que se mantêm, outros são adaptados de acordo com a necessidade do meio e das nossas intenções. Sendo assim, em um ambiente de trabalho, o autoconhecimento vai facilitar relacionamentos, vai desenvolver habilidades, trazer consciências de pontos a melhorar e desenvolver também inteligência emocional, facilitando o controle das emoções gerando motivação, eficiência e produtividade nas equipes. 

Inúmeras empresas já sacaram que elas têm no núcleo pessoas que trabalham para pessoas, que a lucratividade não pode ser o ponto principal e que é importante investir no que as sustentam. Um olhar além das competências técnicas é necessário para uma empresa ‘sadia’.

Quais os benefícios alcançados com o autoconhecimento pessoal e profissional então?

As pessoas que buscam se autoconhecer, são mais autenticas, facilitam o bom convívio engajam mais as equipes, desenvolvem mais habilidades e competências que vão aumentar a produtividade delas e da empresa. Além de terem mais equilíbrio emocional tornando a vida da empresa mais saudável.

Quais os prejuízos para uma empresa que não investe na área de desenvolvimento humano?

Uma das ferramentas de desenvolvimento humano é o autoconhecimento, e a falta dele gera funcionários com baixa autoestima, insegurança, medos de validação de opiniões alheias, comunicação indesejada e insatisfação nas funções ocupadas.

 Em 1950 Theodore W. Schultz, apresentou seus estudos a respeito do capital humano nos ambientes organizacionais. Para ele o capital humano é a capacidade de conhecimentos, competêencias e atributos de uma pessoas ao desempenhar um trabalho de modo a produzir valor econômico.

Esse estudo tem tudo a ver com o tema aqui abordado. Contratar um candidato apto à função é um desafio que pode ser vencido com o autoconhecimento. A análise comportamental é uma excelente ferramenta de autoconhecimento em processos seletivos, garantindo o melhor desenvolvimento nas organizações em suas contratações e nos planos de carreira.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *